EXPERIÊNCIA DE LEITURA: O HOMEM QUE CONFUNDIU SUA MULHER COM UM CHAPÉU.

IMG_20160128_135109851

Faz muito tempo que eu estava lendo este livro em uma destas salas de espera que cheiram a sala de espera sem nenhum esforço em ser qualquer coisa minimamente interessante alem de um abatedouro de tempo. A secretária pediu o nome do livro e eu mostrei a capa de “O Homem Que Confundiu a Mulher Com Um Chapéu”.

Eu expliquei que se tratava de relatos sobre os pacientes que o Oliver Sacks foi atendendo durante sua carreira. Falei que Sacks era um neurologista famoso cuja competência havia atraído pacientes que tinham doenças muito estranhas como a da mulher de noventa anos que se torna namoradeira (A doença de cupido), dos gêmeos que lembravam tudo que viviam e podiam falar varias informações sobre uma data que lhes fosse falada (Os gêmeos), e do músico que vai perdendo o significado dos estímulos visuais concretos (justamente o caso do homem que confundiu sua mulher com um chapéu).

A secretaria simplesmente perguntou por que ler livros assim. É uma boa pergunta. Claro que existe o apelo ao bizarro que está presente desde o titulo, mas isto não é o suficiente para justificar porque este é um bom livro. E é um bom livro, interessante, bem escrito e que nos faz pensar muito tempo após o termos lido.

Para encontrar a resposta que não pude dar para a secretária tiver que refletir sobre este último ponto. O que ficamos pensando depois de termos lido este livro? Eu fiquei pensando nas coisas que fazemos e pensamos, e em quanto elas podem ser decorrências de doenças, de genética e de coisas que não temos nem controle, nem consciência. Eu fiquei pensando em como eu lidaria com aquelas situações se ocorressem próximo a mim. E, também, fiquei pensando o que eu faria no lugar destas pessoas.

E só pude pensar nestas coisas pela grande capacidade narrativa de Oliver Sacks em descrever seus pacientes. É muito comum, em relatos do tipo, que se esqueça as personalidades e relações de vida que se formam, tornando todas as historias como histórias de doenças que estão embaladas por seres humanos. Aqui, não. Nós temos pessoas reais e que poderíamos conviver durante a vida passando por situações que por acaso tem a ver com uma situação neurológica.

E isto leva a variedade de relatos e a autenticidade deles. Quando dois pacientes com o mesmo problema de reter memórias recentes (Uma questão de identidade e O marinheiro perdido) agem de formas completamente diferentes, nós entendemos o porquê, é porque são pessoas diferentes e que agiriam de formas opostas a quase tudo na vida. Seus pacientes são sempre mais interessantes que as doenças.

Portanto não é bom recomendar apenas a leitura deste excelente livro “O Homem que Confundiu sua Mulher com um Chapéu”, e sim recomendar que, dentro de nossas possibilidades, também tentemos ler as pessoas como Oliver Sacks fazia. Com interesse e respeitando suas histórias. Talvez assim possamos até conversar bem com as secretárias que sequer lembramos o nome em salas anônimas de espera.

Rui Carodi.